segunda-feira, 12 de junho de 2017

É t i c a


Muitas pessoas confundem ética com moral, julgando tratar-se de sinônimos. Mas não são. Cada uma contém seu próprio sentido.

Moral significa costumes (do latim: mores). Trata dos costumes de uma sociedade, de suas regras, leis, convenções. Regras e leis são pautadas nos costumes de determinada sociedade. Assim, pode-se sintetizar que a moral é a totalidade de regras e costumes que se aplicam no dia a dia para os cidadãos de uma sociedade.

Ética (do grego: ethos) significa modo de ser, de se comportar. Ela busca a melhor maneira de se comportar e de viver, o melhor estilo de vida com base nos hábitos (leis) de uma sociedade. Tem a ver com o caráter da pessoa.

Em síntese, enquanto a moral se ocupa das leis, a ética se ocupa do caráter, do comportamento do cidadão.

O objetivo da ética é estabelecer bases para guiar o comportamento das pessoas, possibilitando-lhes que forjem um caráter capaz de definir os seus passos. Portanto, cumprir as leis, as regras, é moral. Cumpri-las da melhor maneira possível, mesmo sem ser visto ou observado, é ético, é do caráter.

A ética é fundamental para forjar a cultura de uma sociedade, pois uma sociedade não se mede apenas pela capacidade dos seus cidadãos de cumprir as leis, mas, sobretudo pelo seu caráter, pelo seu comportamento.

Uma sociedade que pauta suas atitudes na ética é uma sociedade justa, com direitos e deveres iguais para todos, sem privilégios decorrentes de funções exercidas por cidadãos.

Se na sociedade todos adotam a ética como princípio de vida não apresentará injustiças de qualquer espécie. Por se tratar de comportamento, de caráter da pessoa, a ética é acima de tudo uma atitude, uma escolha espontânea de vida, sem necessidade de imposição.

Por ter essa prerrogativa, a ética é difundida entre os cidadãos sobretudo através do exemplo. E esse exemplo é muito mais forte quando advindo daqueles com maior visibilidade e com responsabilidades de liderança. Sempre que houver mau exemplo por parte dessa parcela de cidadãos, existe o risco da ética ser sepultada por grande parte da população, e substituída pelo egoísmo, pelo “quem pode mais chora menos” ou pelo “salve-se quem puder”. A consciência de retidão é facilmente apagada perante maus exemplos emanados de pessoas influentes.

A impunidade cria o conceito de que a ética é para os fracos, enquanto a esperteza faz parte da vida dos fortes e daqueles que sabem viver bem.

No Brasil, infelizmente, o conceito de ética vem sendo cada vez mais degradado e esquecido por muitos, e substituído por uma falsa esperteza, que um dia se voltará contra eles próprios.

O p ç õ e s

É comum as pessoas buscarem atalhos para superar dificuldades e encontrar um caminho mais fácil diante de circunstancias diversas, principalmente quando precisam ou julgam precisar de algo. Inúmeras vezes a busca desse caminho “mais curto” se traduz na palavra pedir. De um modo geral pedir é mais fácil do que fazer, ou de construir, ou de conquistar com o próprio esforço, pois exige mais trabalho, mais dedicação, mais tempo, além de mais conhecimento.

Pedir um favor, pedir uma graça, pedir dinheiro, pedir uma ajudinha..., enfim, pedir.

Esta realidade é muito presente na vida das pessoas. Um exemplo típico, pessoas que praticam alguma religião, frequentam alguma igreja ou seita, habitualmente canalizam suas preces à base de pedidos de graças de toda natureza, ao invés de serem voltadas a agradecer, a louvar, a bendizer. Até não seria anormal, dada a fé e a confiança que se tem na divindade. O problema é que de modo geral se pede para conseguir (gratuitamente) algo que se deseja ou que se julga necessário. Pede-se para receber o produto pronto, como se o seu Deus fosse um operário que estivesse ao seu exclusivo dispor durante todo o tempo, para receber exclusivamente as suas demandas, como se ele tivesse obrigação de atender prioritariamente os seus pedidos.

As pessoas às vezes esquecem que já receberam o maior de todos os dons: a vida. E esse dom veio acompanhado de muitos outros, como saúde, inteligência, vontade... Isso significa que a maior parte dos pedidos é dispensável, pois a própria pessoa tem a capacidade de alcançar os seus objetivos.

No caso da prece, por exemplo, ao invés de pedir saúde, deve-se pedir a opção de ter saúde. Ao invés de pedir um emprego, pedir a opção de estar empregado. Ao invés de pedir felicidade, pedir a opção de ser feliz. E assim por diante. Por que nossa vida está constantemente girando em torno de opções que, no final, são as próprias pessoas que escolhem. Por isso, pedir a opção de ter saúde significa iluminar a mente para que se consiga seguir caminhos corretos que proporcionem uma vida saudável. Ter a opção de estar empregado é garantir a capacidade de usar a inteligência, a experiência e a persistência para buscar e manter o emprego de nossos sonhos. Ter a opção de ser feliz no momento em que se vive, utilizando-se dos meios disponibilizados.

O mesmo acontece ao pedir às pessoas. Ao invés de pedir o “produto acabado”, melhor pedir orientação para conquistar o que se deseja.

Cada um carregará em suas costas a responsabilidade de suas escolhas e das opções selecionadas. Mas, o sabor da vitória conquistada com próprio trabalho é infinitamente superior à alegria de obter qualquer coisa gratuitamente. Tudo o que é construído e conquistado com trabalho e dedicação é muito melhor, proporciona maior prazer, realiza, afofa o ego.

Por isso, antes de pedir uma solução, em qualquer situação ou circunstância, ou necessidade, melhor pensar primeiro se não é mais criativo e viável descobrir possíveis opções. As opções proporcionam liberdade de escolha.

Pedir que solucionem nossos problemas é uma atitude passiva, cômoda, preguiçosa. Buscar opções para solucioná-los, inclusive com sugestões de outras pessoas, é uma atitude ativa, criativa, de quem não teme sair de sua zona de conforto para buscar ainda mais conforto através da escolha de novos caminhos. É transformar o habitual em novo, o comum em inédito, o temeroso em vitorioso.

Buscar e escolher opções é uma forma brilhante de exercer a própria liberdade: liberdade de buscar, de escolher, de acertar (sem medo de errar), e de viver a própria vida.

Referência

O cérebro registra e arquiva todos os atos, os movimentos, os pensamentos. Enfim, tudo o que acontece ou passa pela vida.

Enquanto alguns desses registros permanecem visíveis por muito tempo, outros se ocultam para sempre. Eles se referem tanto aos próprios atos, quanto aos atos de outras pessoas, os quais nos afetam de alguma forma.

Alguns se ocultam para a própria pessoa e ficam evidentes nas memórias de outras que foram influenciadas ou tocadas de alguma forma por eles. Essas influências permanecem vivas na cabeça e na vida da pessoa. São registros indeléveis, que não se apagam jamais. É como se nossa assinatura passasse a fazer parte do livro da vida daquela pessoa. Seria um autógrafo particular, pessoal, singular e irrestrito entregue, mesmo que involuntariamente, e sem nossa ciência, dado a alguém que o guardará para sempre em sua memória. Um autógrafo escrito a fogo.

É comum as pessoas buscarem em outras pessoas modelos de vida, de comportamentos, de atitudes. É de certa forma um jeito de tentar se espelhar em atitudes boas ou ruins de outras pessoas. Isso ocorre na maioria das vezes sem que as pessoas que “transferem” esses modelos percebam. São líderes, muitas vezes, sem saber. E muitas vezes a quantidade de liderados, nesse sentido, é imensa.

Essas atitudes boas são “copiadas” e se transformam em tentativa de mudanças de caráter e de vida para esses “liderados”. E tudo isso fica na memória de tal maneira que essas pessoas “copiadas” se tornam modelos de vida a ser seguido (mesmo sem perceber). E aí começa a responsabilidade. As pessoas tidas como “modelos” de comportamento ou de vida se tornam de certa forma responsáveis pelos seus “liderados” (mesmo que ocultos). Tornam-se referência de vida para elas. E ser referência para alguém é uma empreitada de muita responsabilidade.

Antonine de Saint-Exupéry, em O Pequeno Príncipe, afirmou que “Você se torna eternamente responsável por aquilo que você cativa”.

Cativar uma pessoa é ser referência, mesmo sem querer, sem perceber, sem saber. E quando nossas palavras, gestos e atitudes são copiados e assimilados, passam a fazer parte da vida dessas pessoas. Daí a imensa responsabilidade.

A influência pode ser benéfica ou negativa. Quando benéfica, ajuda as pessoas a buscarem e alcançarem seus objetivos, ou a sua felicidade. A influência negativa pode destruir essas pessoas. E toda destruição traz infelicidade, dor, tristeza, perda, tribulação, senso de incapacidade, decepção. Basta uma pequena decepção, às vezes, para jogar por terra todo um castelo construído sobre boas atitudes vistas em você por alguém.

Considerando que nem sempre sabemos se estamos sendo referência a alguém, é melhor não fraquejar, e conduzir nossos passos, nossas ações, nossas atitudes com sensatez e dentro dos parâmetros aceitos pela cultura da sociedade onde se vive.


Ser referência de alguém é muita responsabilidade. Decepcioná-lo muitas vezes é o mesmo que obstruir-lhe o caminho, tirar-lhe a luz, ocultar-lhe o Norte, impedi-lo de andar.