sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Gestão de pessoas hoje.

GESTÃO DE PESSOAS - Arte de ser gente e conviver com gente!

O que é gestão de pessoas - Maneira moderna de gerir as pessoas nas organizações, considerando-as parceiras, com objetivos próprios, capazes de criar, de inovar e de desenvolver as atividades com eficiência e eficácia. Propõe o encantamento dos colaboradores para que encantem os clientes.

A evolução na história

1. Ausência de políticas. As pessoas como peças de uma engrenagem. Não havia estrutura voltada às pessoas como pessoas.

2. Relações industriais - Era da industrialização clássica. Estrutura burocrática, centralizadora, rígida, inflexível. Cultura organizacional com foco no passado, na tradição, na experiência. Conservacionista. Ambiente estático, sem mudanças. Pessoas controladas por regras rígidas. Foi um passo importante para reconhecer as pessoas.

3. Recursos humanos - Era da industrialização neoclássica. Pessoas como recursos humanos. Estrutura organizacional mista: ênfase na departamentalização, por tipos de produtos ou serviços. Cultura organizacional com foco no presente. Valorização da adaptação e da renovação. Controle das pessoas através dos objetivos organizacionais. As pessoas passaram a ser vistas como pessoas, valorizando suas competências, conhecimento, habilidades, capacidades, destrezas, etc.

4. Gestão de pessoas (a partir de 1990) - Era da informação. Estruturas organizacionais flexíveis e descentralizadas. Valorização da mudança, da inovação, do conhecimento, da criatividade das pessoas. Pessoas como seres humanos proativos e inteligentes. Ênfase nas equipes e não nas especialidades individuais. Incentivo à liberdade e comprometimento para motivar as pessoas. Pessoas tratadas como o melhor patrimônio da organização. Pessoas tratadas como parceira: respeitando suas individualidades, sua personalidade, suas aspirações, seus valores, suas atitudes, sua criatividade, motivação e objetivos pessoais.

O papel das pessoas nas organizações. Não existe organização sem pessoas, que são: o patrimônio mais valioso de qualquer organização. O motor e o combustível que mantêm ativas as engrenagens que movimentam as organizações.

As pessoas são imprescindíveis para a existência de qualquer organização. Elas definem os rumos das organizações, a qualidade dos produtos e serviços, a sua sobrevivência, o seu crescimento, ou o fim da própria organização.
As pessoas são a imagem das organizações.

Motivação. O comportamento das pessoas e seus diferenciais. O que pode motivar uma pessoa dentro de uma organização: Respeito e Dignidade – Reconhecimento – Valorização – Segurança – Perspectivas (plano de carreira) – Remuneração – Treinamento.

A soma da motivação de cada um dos colaboradores de cada equipe define o nível do clima organizacional. O que eleva o clima organizacional: Respeito, Dignidade, Reconhecimento, Valorização, Segurança, Perspectivas – plano de carreira, Remuneração, Treinamento. O contrário também é verdadeiro.
Papel do líder na equipe.

Liderança: alma da equipe. O líder influencia as pessoas pela comunicação e carisma. Deve ser versátil, identificar anseios e necessidades, fornecer respostas, ter habilidade para interpretar missão, visão, objetivos, estratégias e valores da organização, estabelecer prioridades, planejar e programar atividades em equipes, solucionar problemas e conflitos, delegar responsabilidades, acompanhar e orientar pessoas, ser coach.

Líder institucional - Pessoa indicada pela organização para conduzir equipes e alcançar os objetivos organizacionais. São os gestores. Nem sempre possuem habilidades de liderança. Podem adquiri-la.

Líder espontâneo - Surge naturalmente das equipes e não exerce cargo de comando dentro da organização. Possui características peculiares, e pode não exercer a liderança em todas as situações. O papel desse líder nas organizações é muito importante. Às vezes é o elo entre a equipe e o líder institucional, ou a própria organização.

Feedback - Maneira de observar uma atitude, um comportamento ou um trabalho, e compartilhar e criticar os efeitos do resultado da pessoa envolvida. Estabelece um relacionamento profissional profundo entre gestor e colaborador.

Feedback negativo: Valoriza os aspectos errados do trabalho e não considera o que está correto. Dá ênfase ao negativo, desestimulando a motivação dos colaboradores e, ainda, podendo incutir-lhes medo de voltar a errar, comprometendo a criatividade em trabalhos futuros.

Feedback positivo: Aproxima o colaborador do gestor, e vice versa, estimula ao crescimento, agrega valor, porque valoriza os aspectos positivos do trabalho e administra os negativos. Valoriza o acerto e orienta a correção do erro.

O que deve ser criticado é o comportamento do funcionário, ou o trabalho do funcionário, nunca o próprio funcionário.

(palestra proferida no Bco. Santander-SOE em 14/01/2011)