sábado, 20 de dezembro de 2014

GOSTAR DO QUE SE FAZ


Desde criança a gente aprende a ser humilde. E isso é bom. A humildade é uma das melhores virtudes. E não precisa ser religioso, crer em algum Deus para ser humilde. A humildade é própria da raça humana, pelo menos daqueles humanos que assumem a sua verdadeira humanidade.

Ser humilde significa conhecer as próprias limitações e as próprias competências e potencialidades. É saber reconhecer nas pessoas tudo o que elas têm de bom. Humildade não significa baixar a cabeça. Isso é subserviência.

Partindo desse conceito, precisa aprender uma coisa muitas vezes esquecida: saber reconhecer e valorizar o que se faz. Tudo. Não apenas as realizações grandes. Também as pequenas que, aliás, são sempre em maior quantidade.

Muitas pessoas desanimam por que acham que não fazem nada certo, ou nada de importante, que chame a atenção. Mas se esquecem da quantidade sem fim de pequenas realizações do dia a dia. Esquecem-se que são essas pequenas realizações que, somadas, constroem as nossas vidas.

Nada nasce grande. Tudo é composto por coisas ou atos pequenos. Às vezes minúsculos. Como se satisfaz a fome? Ingerindo pequenos e constantes bocados de alimento. As casas são construídas com a sobreposição de pequenos tijolos. E os tijolos, sabemos, são feitos do minúsculo pó da terra.

Assim, antes de aceitar o desânimo, ou mesmo um único momento de vontade de desistir por qualquer ato falho, é importante saber que a correção dos erros também ajuda a aprender e a construir.

Para manter o otimismo, e uma melhor qualidade de vida, é importante que se tenha em mente que tudo o que se faz com a intenção de acertar tem seus méritos e é construtivo. Por isso, antes de atender a qualquer ímpeto de desânimo, de desistência por algo que parece perdido, precisa se reportar ao conceito de humildade: fazer bem feito tudo o que se faz, sabendo que tudo tem sentido e que agregará valor a alguém. E gostar do que se faz. Quando se erra existe a certeza que se pode acertar. E o caminho mais rápido é corrigir o erro, e refazer.

(Publicado em dezembro de 2014)