quarta-feira, 13 de abril de 2016

Sofrimento?

Sofrimento é uma palavra que ninguém gosta de ouvir, nem de pronunciar e, principalmente, de incorporá-la à sua vida.

Mas, afinal, o que é o sofrimento?

Difícil de se conceituar na prática do dia a dia. Cada pessoa possui suas próprias definições, seus próprios parâmetros, seus pesos e suas medidas. Para alguns, tudo o que contraria a sua vontade pontual é classificado como sofrimento. Para essas pessoas o sofrimento não as abandona nunca. É uma presença constante. Sentem-se eternas vítimas. Para outros porém, as contrariedades são apenas lapsos momentâneos que podem e devem ser superados na mesma sequência e proporção em que se apresentam.

Ninguém nasceu para sofrer. O Criador nos fez para a felicidade. Seria o cúmulo da ignorância imaginar que ele escolhesse as pessoas que teriam a incumbência de ser felizes e aquelas que viriam ao mundo para sofrer. Seria a maior das injustiças.

O sofrimento existe, sim. Porém, é certo também que ele é gerado sobretudo pelas circunstancias e pelas próprias pessoas. Se toda a sociedade (que é composta por pessoas, individualmente) aceitasse a aplicar todos os recursos para o bem estar das pessoas, na saúde, na educação, moradia, transporte, laser, no bom relacionamento com todos, etc., tudo seria mais fácil, as pessoas seriam mais felizes, menos egoístas, menos egocêntricas, e o sofrimento seria minimizado sensivelmente.

Por isso, a ausência do sofrimento, físico ou espiritual, pode ocorrer. Senão na totalidade, pelo menos na maioria absoluta dos momentos da vida.

Para alcançar esse nível, é preciso que as pessoas se convençam que é possível e que tudo seria facilitado a todos. Precisa que todos acreditem que é possível e se emprenhem para tanto. Acreditar em si, na sua capacidade de ser feliz, de espantar o sofrimento independentemente do seu grau é o primeiro passo para alcançar essa blindagem.

É uma escolha que se faz. Quem se deixa abater por coisas insignificantes terá muitos momentos de sofrimento na sua vida. Ao contrário, aqueles que descobriram que as contrariedades existem para nos tornar mais fortes são mais felizes e não têm medo de capitular perante os grandes embates. Os pequenos momentos de contrariedade, de sofrimento são como um treino para enfrentar os grandes problemas. E a gente nunca deve esquecer que é melhor viver de escolhas do que de opções.

É importante que se acredite fortemente naquilo que leva à felicidade. Focar constantemente o que faz bem. Tudo aquilo que surge para tentar nos desnortear ou nos tirar do caminho feliz não deve tomar o nosso tempo precioso. Deve ser administrado, permanecer fora de nós, embora sob nosso olhar constante. Os problemas não podem ser integrados ao nosso ser, à nossa vida.

Precisa reforçar o que é bom. Viver o maior tempo disponível naquilo que nos faz bem. Gastar apenas o tempo estritamente necessário com o que nos desvia da felicidade. Vibrar muito com as coisas boas e apenas administrar as ruins.


Isso significa viver felizes, sem ou com pouquíssimo sofrimento, mesmo que nem sempre os fatos se sucedem da forma que planejamos.

(Publicado no JNB em abril de 2016)

Nenhum comentário:

Postar um comentário